Displasia de Cadeira (Coxofemoral)

A displasia coxofemoral se conhece no hombre desde os anos 400 a/C.

A Displasia coxofemoral foi descrita por primeira vez no cão en 1935 como uma patología ligada ao periodo de crescimento que produz inestabilidade da articulação coxofemoral. Tambem se conhece en outras espécies. Nos anos 1950 se identificaram os aspectos hereditarios dessa enfermedade e foi proposto o controle a través da seleção dos reprodutores.

Consiste em uma mal formação da articulação coxofemoral em suas partes acetabular e o femoral que implica a enfermedade degenerativa articular e a artrosis crónica. É a enfermedade ortopédica, de origen no traumático, mais difundido e mais conhecido nos cães de tamanho medio, grande e gigante. Sendo nestos tamanhos aonde a enfermedade presenta mais prevalencia e, sobretudo, se manifesta com maior gravedade. Se estudo e diagnosticado en mais de 150 raças caninas.

Esto leva a constituir-se na enfermedade hereditaria do cão que faz mais tempo esta sujeita a programas de controle. A partir dos anos 1980 se vão sumando os paises e os clubes de diferentes raças, que estabelecen programas de controle e prevenção nas raças predispostas.

A displasia da cadeira, e, mais recentemente, a displasia do cotovelo, representam as enfermedades hereditarias do cão mais ativamente controladas nos programas de seleção de todos os paises nos que a cinofilia tem nivel professional elevado.

É importante conhecer como estas enfermedades tem sido controladas em varios paises e como é possivel confrontar o resultado, especialmente em consideração do forte intercâmbio de exemplares com fins reprodutivos.

A causa destas patologías é multifactorial de modo que estam implicados fora de elementos genéticos por ambientales e nutricionales que incidem en sua determinação e a gravedade do cuadro.

Em quanto a displasia de cadeira se considera uma enfermedade hereditaria, não sendo congénita como ocurre no homem. Esto significa que a enfermedade pode ser transmitida aos descendentes, mais não é comum que se presente quando o exemplar nasce, dado que se desenvolve durante a etapa do crescimento, influindo na forma negativa fatores ambientais tal como o desbalance nutricional, o tipo e cantidade de exercicio físico, eventuais traumatismos, etc.

A correta conformação desta delicada articulação deriva de um justo equilibrio entre a forza exercida pelas diversas estruturas, óseas, muscular, tendinosa, e ligamentosa durante o crescimento que modela sua configuração definitiva.

A falta de congruência articular e a consecuente inestabilidade das partes articulares provocam lesoes e degeneração articular que con frequencia terminam, com o paso do tempo, em artrosis crónica e progressiva, a qual pode invalidar ao sujeito afetado.

As manifestaçoes clínicas principalmente são claudicação e dolor. Mais ademáis observamos atrofia muscular, dificultade de movimento e actitude antálgica.

Não tem sido identificados, no mapa genético, o gen ou os genes responsaveis destas enfermedades. A heredabilidade é considerada quantitativa com variação continua e só pode ser estimada com métodos da genética poblacional. O controle pode efetuar-se somente mediante o examem radiográfico da articulação.

Este controle radiológico se realiza na raça Pastor Alemán e outras de tamanho similar na edade mínima de 1 ano e em raças gigantes aos 18 meses por considerar-se que, a estas edades, se tem completado o desenvolvimento esquelético. É fundamental uma técnica radiológica correta para evitar diagnósticos de falsos positivos ou falsos negativos. Desde faz muitos anos se tem controlado o Pastor Alemán.

Es importante la identificación del ejemplar, por medio del tatuaje o microchip.

Na radiografía, devem figurar em forma indelével, a identificação, a data de nascimento e a data da tomada da radiografía.

Tambem tem que ter en conta para o diagnostico as diferenças de conformação das diferentes raças.

O controle sistemático da displasia de cotovelo se iniciou em Suecia em 1985 em Rottweiler e Retriever e mais tarde em outras raças. A SV estuda momentáneamente a incidência do problema no Pastor Alemán de forma voluntaria.

As lesoes primarias principais do cotovelo que levam a artrosis secundaria são o processo anconeo isolado, o processo coronoide fragmentado, a osteocondrosis disecante e a incongruência articular acentuada entre as superficies de radio e cúbito ou ulna. Como o examem radiológico não permite sempre o reconhecimento da lesão primaria, a IEWG (International Elbow Working Group) tem proposto uma graduação apoiado no grau de artrosis que se observa na radiografía.

Certificado de validez Internacional

A Fédération Cinológica International (FCI) classifica com os seguintes graus:

Para Displasia de cadeira

A – Normal

B – Quase normal

C – Leve

D – Meia

E – Grave

Para Displasia do cotovelo

0 – Normal

I - Osteofito menos 2 mm

II - Osteofito entre 2 e 5mm

III - Osteofito mais de 5 mm

La SV chama tradicionalmente o grado C “noch zugelassen” o que significa “ainda permitido”.

Resumen elaborado pela Dra. Margarita Duran com a supervisão do Dr.W. Brass