Historia

O Kennel Club Uruguayo foi fundado no ano 1938, trabalhando desde então na promoção da cria de cães de raças puras de pedigree. Nessa oportunidade nossa instituição se enche de orgulho em presentar a unica Raça Canina autóctona do Uruguai, o "Cimarrón Uruguayo" a qual tem sido tão util en nosso País ao passar do tempo da sua historia. Muito querida é para os uruguaios a frase pronunciada pelo fundador da nacionalidade, Don José Artigas, quem expresso: "Quando me fique sem soldados, vou brigar com cães cimarrones".
Esperamos que as demais organizaçoes que integram a Federación Cinológica Internacional seibam reconhecer todas suas virtudes, as quais o colocaram em uma situação de destaque em nosso País en diferentes actividades, como o trabalho com gado, a caça maior (especialmente javalí), guarda, defesa, e sobretudo como um grande companheiro do homem em todas as atividades em que este o necessite.
Sem mais os deixamos com alguns antecedentes e artígos de interesse, agradecendo especialmente sua atenção.

Resenha histórica:

Muitos dos animais domésticos introduzidos na América pelos primeiros colonizadores, reconquistaram sua libertad, voltando ao estado salvagem. Nesses animais cimarrones a retroverssão ao tipo salvagem primitivo nunca foi completada; todos eles conservam sempre carateres que revelam claramente sua procedencia de progenitores domésticos.
O vocabulo cimarrón se aplica na América a todo animal ou planta silvestre em contraposição ao doméstico.
O origem de nosso "Cimarrón Uruguaio" ao igual que o da grande maioría das raças, é incerto.
O que sim sabemos é que descende dos cães introduzidos pelos conquistadores ibéricos, tanto espanholes como portugueses. Muitos desses cães foram abandonados e de seus cruzamentos, a natureza, assim como talha uma serra ou uma caverna, caprichosamente foi fazendo o mesmo com esses cães até chegar ao nosso Cimarrón.
Essa mesma seleção natural motivou que só sobreviveram os mais aptos, os mais astutos, os mais fortes.
Convertindo-se en um cão excelentemente adaptado ao nosso meio, e existindo abundância de alimento e sem depredadores naturais, o cimarrón se foi reproduzendo en grande numero, tendo chegado conforme documentos históricos a ser convertido en um verdadeiro perigo para os habitantes do campo e a criação de gado.
Isso levou a que as autoridades da época (fins do s.XVIII) ddecidiram e incentivaram grandes matanças, chegando a contabilizar-se por milhares os cães mortos.
A pesar disso, "…um bom numero de mães com sua prole ganharam os montes do Olimar e sobre tudo na serra de Otazo e nos Cerros Largos".
Precisamente muitos hacendados do actual estado de Cerro Largo conhecendo as virtudes do Cimarrón Uruguaio no trabalho com gado e defesa da sua propiedade comenzaram a criar-lo, preservando-lo da mestizagem.
Graças a esse trabalho de muitos anos hojê os uruguaios podemos desfrutar de suas qualidades, e esperamos que em um futuro próximo possa fazer o resto do mundo.

O Cimarrón Uruguaio nos ultimos 10 anos:

Depois de muitos esforços, 20 anos depois que se presentaram por primeira vez em uma exposição do Kennel Club Uruguayo, em 1989 o Cimarrón Uruguaio é reconhecido oficialmente pela Asociación Rural del Uruguay e o K.C.U.
Se cria a Asociación de Criadores de Cimarrones Uruguayos e em conjunto com o KCU confecionam o primeiro padrão oficial de la raça.
Desde esse momento se selecionam cães base; esses e as novas crías são registrados e tatuados pelo Kennel Club Uruguayo.
Até a data tem mais de 2000 Cimarrones inscritos nos registros genealógicos do KCU.
Desde 1989 se presentam exemplares em todas as exposiçoes gerais organizadas pelo KCU e se realizam 20 exposiçoes especializadas ao ano no interior e en Montevideo. La Sociedad Criadores de Cimarrones (SCCU) tem tres filiais oficiais no interior do Pais.
Nos últimos anos a raça despertou um interesse crescente em cinófilos de nosso Pais e extrangeros, existindo já exemplares da raça em muitos países e alguns criadores em Argentina.
Este crescimento progressivo foi observado e controlado rigurosamente, cuidando todos os detalhes tanto morfológicos, de temperamento e seus carateres hereditarios.
Antes de que um exemplar possa ser registrado deve ser inspeccionado por tres juizes especializados da raça.
Atualmente a Cátedra de Melhoramento Genético da Facultade de Veterinaria conjuntamente com a Sociedad Criadores de Cimarrones firmou um projeto pelo qual estudiarão a situação zootécnica, e os niveis de consanguinidade individual e meio da povoação dos exemplares inscritos.